O GLUTEN & TODA A SUA POLÊMICA

Antes de mais nada, quero começar esclarecendo que não vou defender ou demonizar nenhum alimento, apenas expor informação com embasamento. Pois bem, vamos lá, porque o Glúten tornou-se tão mal visto nos últimos anos?!

Com o aumento da população mundial e a Revolução Industrial, fez-se necessário produzir mais, para alimentar mais pessoas. Ao mesmo tempo, descobriu-se como modificar geneticamente as sementes, podendo então, produzir sementes capazes de germinar, crescer, desenvolver e virar alimento numa velocidade maior. Nessas idas e vindas e testes genéticos alimentares, apareceram diversas novas espécies de Trigo, dentre eles, espécies com uma concentração muito maior de uma proteína chamada Glúten.

O trato gastrointestinal do corpo humano não reconhece esta proteína e não reage bem a ela. Obviamente o nosso organismo é extremamente sábio e apresenta inúmeros processos de homeostase metabólica. O que isso quer dizer?! Que nosso organismo tem capacidade de lidar com o “ruim” ou com o “errado”. Porém, não é apenas o Glúten que o corpo precisa lidar, e não é uma quantidade pequena, não é de vez em quando… ou seja, o nosso corpo está saturado. Inundado de toxinas, desde poluentes, agrotóxicos, metais pesados, BPA… e ai, por praticidade ou desconhecimento, comemos Pão diariamente, ou torta, quiche, torradas… massas, bolos, empadas… simplesmente encontramos uma alternativa barata e gostosa, para suprir a nossa vontade de comer que, infelizmente, mais vicia do que alimenta.

E ai que entra o grande problema, o looping da má alimentação… um organismo saturado, que apresenta uma incapacidade de lidar com mais toxinas (você pode nascer com uma capacidade detox ruim, ou pode também desenvolver ao longo da vida), precisa recrutar o organismo para lidar com aquilo. Como o nosso organismo lida com invasores? Inflamando. Bingo!

Chegamos no grande problema na modernidade… Doenças Inflamatórias.
Já falei inúmeras vezes sobre isso, mas vou continuar batendo na mesma tecla… enquanto continuarmos desembalando mais do que descascamos, continuaremos doentes.

O Glúten entra nessa história por ser uma proteína inflamatória que está presente de forma extremamente abundante na alimentação das pessoas, causando alterações da função digestiva – veja bem, eu falei função… pode ser que você nem sinta incômodo – fazendo com que o seu intestino passe a permitir a entrada de macromoléculas, inflamando ainda mais o seu corpo, que não reconhece aquilo… essa inflamação, vai causar um desequilíbrio de pH que, mais uma vez, nosso corpo é capaz de resolver… porém ele resolve como?! Trocando íons e elétrons com tecidos que possuem o que ele precisa. E isso, em grande escala, gera, no mínimo, osteoporose (retirada de Magnésio e Cálcio dos ossos para tornar o meio mais alcalino novamente) e, futuramente (ou até anteriormente, a depender da tendência genética desta pessoa) o aparecimento de Doenças Inflamatórias (Autoimunes) e Cânceres (que só se desenvolvem em meio ácido).

Onde quero chegar?! O Glúten inflama? Sim.
Ele é o único responsável pela pandemia de Doenças Inflamatórias? Não.
O que devemos fazer?!
1- Se você já apresenta alguma Doença Autoimune, retire. Mesmo.
2- Se você já apresenta algum sintoma, seja diarréia, enxaqueca, insônia, coceiras… tente retirar da sua alimentação (e melhora-la como um todo) e ver se melhora…
3- Se você não sente nada, não apresenta nenhuma doença… não espere acontecer. Melhore a sua alimentação, coma mais comida de verdade, menos industrializados, corantes, conservantes, alimentos geneticamente modificados… e, caso queira comer um Hambúrguer ou Pizza… prefira aquelas artesanais, um Pão de Fermentação Natural, uma Massa Grano Duro… não coma Pizza Hut, Mc Donalds, Miojo… pelo amor de Deus!

Cuide do seu corpo como você cuida de quem você mais ama…
E pense que você não coloca uma gasolina porcaria no seu carro… certo?!
Porque faria isso com seu corpo?!

Seu corpo. Seu templo.
Cuide-se.

 

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.